[Comentário] Memórias de Minhas Putas Tristes - Gabriel García Márquez

Título: Memórias de Minhas Putas Tristes 
Título: Original Memoria de Mis Putas Tristes 
Autor: Gabriel García Márquez 
Páginas: 132 
Edição: 1 
Editora: Record 
Ano: 2005 


 Sinopse: Gabriel García Márquez nos apresenta a história deste velho jornalista que escolhe a luxúria para provar a si mesmo, e ao mundo, que está vivo. Primeira obra de ficção do autor colombiano em dez anos, “Memória de Minhas Putas Tristes” desfia as lembranças de vida desse inesquecível e solitário personagem em mais um vigoroso livro de Gabriel García Márquez. O leitor irá acompanhar as aventuras sexuais deste senhor, narrador dessas memórias, que vai viver cerca de “cem anos de solidão” embotado e embrutecido, escrevendo crônicas e resenhas maçantes para um jornal provinciano, dando aulas de gramática para alunos tão sem horizontes quanto ele, e, acima de tudo, perambulando de bordel em bordel, dormindo com mulheres descartáveis, até chegar, enfim, a esta inesperada e surpreendente história de amor. Escolhido o presente, ele segue para o prostíbulo de uma pitoresca cidade e ao ver a jovem de costas, completamente nua, sua vida muda imediatamente. Quando acorda ao lado da ainda pura ninfeta Delgadina, o personagem ganha a humanidade que lhe faltou enquanto fugia do amor como se tivesse atrás de si um dos generais que se revezaram no poder da mítica Colômbia de Gabriel García Márquez. Agora que a conheceu, ele se vê à beira da morte. Mas não pela idade, e sim por amor. (Fonte: It Cultura)

Comentário: Meu Deus! 
Só de pronunciar o nome desse livro me dá um nó na garganta. Antes de tudo, o título do livro pode ser classificado como obsceno ou despudorado, mas não é assim. Gabriel despeja sentimentos tão fortes nesses escritos que é muito difícil você passar folha por folha sem sentir nada. Eu me perdi num misto de sentimentos que não sei decifrar. A leitura é curta, você consegue lê-lo em um dia, mas em compensação pensa nele por semanas. O livro é uma poesia eterna, os diálogos são ricos e a lição de que o amor não tem idade é a maior das dadivas. Memória de minhas putas tristes é um livro que nenhuma resenha ou comentário descreve, essa talvez seja minha maior indicação no ano, não creio que um ser humano possa morrer sem ler este livro. Enfim, é puro e bem escrito e tocante, o amor que ele sente por Delgadina é o primeiro e ultimo de sua vida ... Eu, em todos os romances que li, nunca vi ninguém conseguir transcrever o amor como Gabriel Garcia conseguiu. Mesmo meus comentários sempre sendo positivos esse é feito de tão bom gosto que posso sentir , por que o único fator que me desagradou neste livro, foi a rapidez com que a ultima pagina chegou. 
Se puder leia e se não puder leia também não vai se arrepender. Quando fizer isso venha nos contar o que achou.

“ [...] Havia achado, sempre, que morrer de amor não era outra coisa além de uma licença poética. Naquela tarde, de regresso para casa outra vez, sem o gato e sem ela, comprovei que não apenas era possível, mas que eu mesmo, velho e sem ninguém, estava morrendo de amor. E também percebi que era válida a verdade contrária: não trocaria por nada neste mundo as delícias do meu desassossego. Havia perdido mais de quinze anos tratando de traduzir os cantos de Leopardi, e só naquela tarde os sentia fundo: Ai de mim se for amor, como atormenta.  [...]Trecho.
                                                                      Classificação


Postado por Jéssyca Souza


2 comentários

  1. Comprei esse livro e está na minha estante aguardando a leitura. Com esse resenha, o Memórias de Minhas Putas Tristes sobe na lista de prioridades de leitura. Abs.

    www.almeidaemprosa.com.br

    ResponderExcluir
  2. Gabriel García Márquez é um dos meus escritores favoritos.
    Terminei recentemente “Memória das Minhas Putas Tristes”:

    http://numadeletra.com/34202.html

    Mas há mais:

    http://numadeletra.com/10711.html

    Um abraço

    ResponderExcluir